Instituto de Saúde

A A A Tamanho do texto

Alunos do Mestrado Profissional do IS discutem estratégias de combate à pandemia

09 de outubro de 2020

 

 

O programa de Mestrado Profissional em Saúde Coletiva do Instituto de Saúde está desenvolvendo uma série de seminários internos para discutir as estratégias utilizadas no combate à pandemia do novo coronavírus pelos municípios dos alunos participantes do Mestrado. A proposta, segundo Mariana Tarricone Garcia, pesquisadora científica do IS e membro da Comissão de Pós-Graduação do IS, é trazer para o debate entre os discentes e docentes do programa as ações realizadas e trocar experiências entre os diversos municípios. No primeiro evento, que aconteceu em setembro, as alunas Marinês Santos de Oliveira e Renata Rodriguez Imparato apresentaram programas implementados em Santo André e São Paulo, respectivamente.

 

 Marinês, que é psicóloga e coordenadora de Saúde Mental na SMS de Santo André, contou como o município criou um programa de atendimento em Saúde Mental para os profissionais que atuam na linha de frente do enfrentamento à COVID-19 (UPA, SAMU e Hospitais de Campanha).  A gestão municipal identificou o aumento exacerbado de estresse entre os trabalhadores da saúde, pela insegurança do contágio e medo de contaminar os seus familiares, resultando num grande impacto na saúde emocional, muita ansiedade e, muitas vezes depressão, levando a Coordenação de Saúde Mental a ofertar as intervenções de apoio aos trabalhadores.

 

O programa, realizado pela equipe do CAPS Infantojuvenil e do NASF, envolveu educadores físicos, psicólogos, terapeutas ocupacionais, fisioterapeutas, assistentes sociais, monitores de oficina, arte educadores, entre outros e foi ampliado para a equipe do Consultório na Rua, dos CAPS e do Almoxarifado da Saúde, devido as demandas apresentadas pelas equipes. O atendimento foi realizado à distância (por telefone ou aplicativos de mensagens), mas também presencialmente, nos CAPS e nas unidades de saúde, inclusive com sessões de meditação, Reiki, auriculoterapia, além de sessões de escuta individuais e grupais. Foram mais de três mil ações de cuidado realizadas entre abril e julho, com acompanhamento dos profissionais após esse período. “A proposta do seminário é muito boa! A troca de experiencia é enriquecedora. As perguntas e discussões apresentadas ampliaram a nossa ideia do que fizemos. Às vezes minimizamos essas ações e o espaço nos faz ver como são amplos e grandiosos projetos como esses”, comenta Marinês.  A aluna do Mestrado Profissional pesquisa saúde mental, orientada pela pesquisadora Tereza Rosa.  

 

 

Crédito: Marinês Santos de Oliveira

 

Renata, farmacêutica que atua na Assistência Farmacêutica da Secretaria Municipal da Saúde (SMS) de São Paulo, por sua vez, apresentou ações desenvolvidas no município de São Paulo que visam reorganizar os serviços de APS, especialmente para garantir a continuidade do atendimento seguro aos usuários nas farmácias da rede básica e de especialidades municipais, focando no uso racional de medicamentos e na manutenção do isolamento social. A equipe de farmacêuticos elaborou novas notas técnicas que tiveram como objetivo a reorganização dos serviços de farmácia procurando evitar a transmissão viral nos atendimentos presenciais; propuseram a flexibilização temporária e contingencial dos critérios para dispensação dos medicamentos constante na Relação Municipal de Medicamento (REMUME -SP) e estabeleceram critérios para atendimento de prescrições emitidas e/ou apresentadas em meio eletrônico nas farmácias públicas municipais. Segundo a avaliação da equipe, as medidas tiveram impacto positivo, com a diminuição da circulação de pessoas nas farmácias e garantiram a continuidade da assistência aos usuários. Para Renata, “o seminário permitiu disseminar as ações da assistência farmacêutica voltadas à manutenção do cuidado aos pacientes e conhecer outros relatos de experiência para refletirmos sobre o fortalecimento do SUS”, afirma. Seu projeto de pesquisa no Mestrado Profissional aborda as indicações e ações para a promoção do uso racional do medicamento omeprazol na Atenção Primária à Saúde, com orientação da pesquisadora do IS Tereza Toma.

 

 

Crédito: Wikipedia / CC BY-SA  

 

As ações apresentadas e o debate no seminário interno reforçam, segundo Tereza Rosa, que a proposta do Mestrado Profissional em Saúde Coletiva do IS de aliar a pesquisa e a implementação de estratégias baseadas em evidências nos serviços vem ao encontro das demandas do SUS, especialmente neste momento histórico. 

 

O próximo seminário interno do Mestrado Profissional do IS está marcado para o dia 06 de novembro e contará com as apresentações dos alunos Enver Lamarca Oliveira Santos e Erica Lima da Silva, que vão apresentar os trabalhos desenvolvidos nos Consultórios de Rua do município de São Paulo e na Vigilância Epidemiológica de Osasco, respectivamente.

 

Núcleo de Comunicação Técnico-Científica

 

 

Comunicar Erro




Enviar por E-mail






Colabore


Obrigado