SUCEN - Superintendência de Controle de Endemias

A A A Tamanho do texto

Núcleo de Estudos em Malária

 

NÚCLEO DE ESTUDOS EM MALÁRIA
"Dr. Antonio Guilherme de Souza"

COORDENAÇÃO DE LABORATÓRIOS DE REFERÊNCIA E DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO

O Núcleo de Estudos em Malária foi criado em 1985, então denominado Laboratório de Malária, com o objetivo institucional de desenvolver pesquisa científica principalmente em dois aspectos: sensibilidade do Plasmodium falciparum a antimaláricos usuais e novos fármacos e caracterização de isolados por meio de instrumentos metodológicos disponíveis à época, como caracterização enzimática e antigênica. Paralelamente houve continuidade das atividades de diagnóstico, tratamento e investigação epidemiológica de casos de malária, bem como das atividades de controle de casos autóctones transmitidos na Região Metropolitana de São Paulo. Hoje os eventos de autoctonia são realizados em conjunto com a esfera municipal e o atendimento aos casos de malária ocorre em colaboração com o Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Com o surgimento de novas ferramentas, como as metodologias moleculares, outros aspectos da malária passaram a ser estudados, sempre com a preocupação de desenvolver pesquisa aplicada, em consonância com as atividades de controle realizadas pela SUCEN. Esta característica pode ser observada em projetos aprovados por instituições de fomento e já concluídos:

1. Cultivo de cepas de Plasmodium falciparum para caracterização através de microtestes de sensibilidade às drogas antimaláricas e tipificação enzimática e para obtenção de antígeno para soroepidemiologia. Apoio CNPq - PROGRAMA PÓLO NOROESTE. Coordenação: Marcos Boulos e Silvia Maria Di Santi.

 

2. Caracterização de cepas e clones de P. falciparum utilizando microtestes de sensibilidade, tipificação enzimática e anticorpos monoclonais. Estudo de infecções maláricas e possíveis recrudescências de pacientes originários de várias regiões brasileiras. Apoio CNPq - PIDE VI. Coordenação: Marcos Boulos e Silvia Maria Di Santi.

 

3. Verificação da ação de novas drogas antimaláricas utilizando-se a microtécnica de Rieckmann: estudos in vitro a partir de cepas cultivadas continuamente. Apoio FINEP. Coordenação: Elizabeth Igne Ferreira e Silvia Di Santi.

 

4. Molecular Genetics of Drug Resistance in Plasmodium falciparum malaria, Acordo Brasil - EUA em Ciência e Tecnologia, Programa Blue Ribbon. Coordenação: Thomas E. Wellems e Silvia Di Santi.

 

5. Avaliação da sensibilidade do Plasmodium falciparum a drogas antimaláricas em Peixoto de Azevêdo, MT, Brasil: uso da microtécnica in vitro. Programa de Controle de Malária na Amazônia (PCMAM), financiado pelo Banco Mundial, com repasse de verbas via Fundação Nacional de Saúde (Convênio SUCEN/FNS). Coordenação: Silvia Di Santi.

 

6. Contribuição para o Controle da Malária Transfusional em Região Endêmica e não Endêmica do Brasil, através de Pesquisa de Antígenos e Anticorpos. Programa de Controle de Malária na Amazônia (PCMAM), financiado pelo Banco Mundial, com repasse de verbas via Fundação Nacional de Saúde (Convênio FPSHSP/FNS). Coordenação: Amadeu Saez-Alquezar/Ana Maria S. V. Ramos e Silvia Di Santi.

 

7. Triagem de alcalóides isoquinolínicos para atividade antimalárica potencial de espécies vegetais da flora paulista e estabelecimento de culturas in vitro. Apoio FAPESP ¿ Auxílio à Pesquisa. Coordenador: Dominique Corinne Hermine Fischer e Silvia Maria Di Santi.

 

8. Identificação genética de populações de Aedes aegypti em diferentes municípios do estado de São Paulo. Apoio OPAS, com repasse de verbas via Fundação Nacional de Saúde. Coordenação: Karin Kirchgatter.

 

9. Estudo da infecção do Aedes aegypti em municípios do estado de São Paulo com transmissão de dengue. Apoio OPAS, com repasse de verbas via Fundação Nacional de Saúde. Coordenação: Karin Kirchgatter.

Equipe Técnica

¿ Silvia Maria Di Santi - Pesquisador Científico (Chefe do Laboratório)

E-mail: mailto:santi@usp.br

¿ Christina Rita de Camilo Toniollo - Técnico de Apoio à Pesquisa C&T

E-mail: mailto:christina.toniolo@gmail.com

¿ Karin Kirchgatter - Pesquisador Científico

E-mail: mailto:karink@usp.br

¿ Lilian Guimarães - Bolsista PAP-FUNDAP

E-mail: mailto:lilianguima@gmail.com

¿ Otacília da Rocha - Oficial de Apoio à Pesquisa C&T

E-mail: mailto:otaciliarocha@ig.com.br

¿ Giselle Fernandes Maciel de Castro Lima, bolsista PAP-FUNDAP

E-mail: mailto:littlegibi@gmail.com

¿ Maria de Jesus Costa - Auxiliar de Laboratório (Chefe de Seção Técnica)

E-mail: mailto:dida.sucen@gmail.com

¿ Maria do Rosário Rodrigues - Auxiliar de Laboratório

¿ Radamés Abrantes - bolsista PAP-FUNDAP

E-mail: mailto:jaguarundy@gmail.com

¿ Angélica Domingues Hristov - estagiária

E-mail: mailto:angeldh87@hotmail.com

¿ Morgana Borges de Castro - Oficial Administrativo

E-mail: mailto:anagrombc@gmail.com

Projetos em andamento aprovados por instituições de fomento

  • Malária autóctone em áreas de Mata Atlântica do Estado de São Paulo: caracterização do problema e subsídios para seu controle. Apoio FAPESP- Programa de Pesquisa em Políticas Públicas. Coordenação: Marcelo Urbano Ferreira, Gerhard Wunderlich e Silvia Maria Di Santi.
  • Análise da diversidade genética de isolados brasileiros de Plasmodium malariae através da utilização de microsatélites e minisatélites. Apoio CNPq. Coordenador Karin Kirchgatter.

Mediante um termo de cooperação técnico-científica, a SUCEN e o Instituto de Medicina Tropical de São Paulo têm desenvolvido trabalhos em colaboração, principalmente no estudo de malária autóctone transmitida em São Paulo, desenvolvendo pesquisa interdisciplinar sobre os vários elos da cadeia de transmissão da doença. Do mesmo modo a interface com o Hospital das Clínicas é viabilizada por meio de termo de cooperação técnica.

 

Atribuições do Núcleo de Estudos em Malária 

1. Atendimento dos casos suspeitos de malária.

2. Normatização de condutas laboratoriais e controle de qualidade do diagnóstico dos Serviços Regionais e dos Hospitais do Estado de São Paulo participantes do processo de descentralização do atendimento ao paciente com malária.

3. Treinamentos e reciclagens em diagnóstico laboratorial, epidemiologia e terapêutica da malária. 

4. Informações a viajantes sobre medidas profiláticas utilizadas para prevenção de malária.

5. Manutenção de Banco de Cepas (P. falciparume P. vivax) para utilização em estudos do Núcleo de Estudos em Malária e fornecimento para outras instituições. 

6. Fornecimento de antígenos para estudos sorológicos.

7. Organização e manutenção de Soroteca com material de portadores de malária de várias origens. 

8. Estágios para profissionais visando formação de recursos humanos nas linhas de pesquisa do Laboratório.

 

nem10

 Ilustração: Diagnóstico e Referência Laboratorial

  Treinamentos

nem12

Foto: Desenvolvimento Tecnológico.

 

 
nem14
 
 Foto: Controle de Focos de Malária.
 

 nem15

 

 

Linhas de Pesquisa

  • Resistência de P. falciparum a antimaláricos
  • Caracterização molecular de Plasmodium
  • Epidemiologia molecular de malária
  • Avaliação de métodos diagnósticos para malária
  • Epidemiologia Molecular de Vetores de Endemias
  • Estudo sobre a dinâmica de transmissão da malária autóctone

Recursos de Infraestrutura

 

nem1

Foto: Área de Escritórios.

nem2

Foto: Sala de cultura de Plasmodium falciparum

 

nem3

 

Foto: Áreas de extração de DNA e biologia molecular

nem4 

nem5

Foto: Área de visualização e fotografia de gel de agarose.

 

nem6
Foto: Sala de microsocopia

 

 nem7

Foto: Área de lavagem e montagem de material para esterilização

 

Informações Gerais - CONDUTA EM CASOS COM SUSPEITA DE MALÁRIA

ENCAMINHAR O PACIENTE OU UMA AMOSTRA DE 5 ml DE SANGUE VENOSO COLHIDO EM TUBO COM EDTA, EM ISOPOR FECHADO, SEM NECESSIDADE DE ADICIONAR GÊLO. A AMOSTRA DEVE SER COLHIDA E ENVIADA IMEDIATAMENTE PARA OS FUNCIONÁRIOS DO NÚCLEO DE ESTUDOS EM MALÁRIA ¿ LABORATÓRIO DE DIAGNÓSTICO DA SUCEN/ AMBULATÓRIO DOS VIAJANTES- HCFMUSP*, ENTRE AS 8 E 16 HS. O PERÍODO MÁXIMO APÓS A COLETA PARA REALIZAR UM DIAGNÓSTICO COM QUALIDADE É DE 4HS.
JUNTAMENTE COM A AMOSTRA DE SANGUE DEVE SER ENVIADO UM ENCAMINHAMENTO COM A HISTÓRIA DO PACIENTE: DADOS CLÍNICOS, DESLOCAMENTOS NOS ÚLTIMOS 6 MESES, USO PREGRESSO DE MEDICAMENTOS, TELEFONE DO PACIENTE E TELEFONE DO HOSPITAL PARA CONTATO.

A NOTIFICAÇÃO DO CASO É REALIZADA PELA SUCEN JUNTO AO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA DO HCFMUSP
Av. Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, 155 4º andar - São Paulo/SP
FONES PARA CONTATO: (11)2661-8025 e (11)3081-8039

Nos finais de semana, feriados e períodos noturnos, entrar em contato com:

ENFERMARIA DE DOENÇAS INFECCIOSAS DO HOSPITAL DAS CLÍNICAS FMUSP

TEL: 2661-6413 ou 2661-6045

PRONTO SOCORRO DO INSTITUTO DE INFECTOLOGIA EMÍLIO RIBAS

TEL: (11) 3896-1200

 Dowload: Guia dos Viajantes (Folder)

 

Comunicar Erro




Enviar por E-mail






Colabore


Obrigado